Gripe A (H1N1)
Noticias sobre a evolução da Gripe A em Portugal

17
Jul 09

 

Nas últimas 24 horas foram registados mais quatro casos de gripe A em Portugal, incluindo um rapaz de sete anos contagiado em território nacional, elevando para 111 o número de infectados.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, o rapaz, infectado por transmissão secundária, está referenciado no Hospital de São João, no Porto, onde está também um homem, de 41 anos, proveniente de Palma de Maiorca.

No Hospital Curry Cabral, em Lisboa, estão referenciados um homem, de 21 anos, que veio de Ibiza, e uma mulher, de 36 anos, que regressou do Rio de Janeiro.

Francisco Gerge, director-geral de Saúde, sublinhou esta quinta-feira na Comissão Parlamentar, que em Portugal não há 'transmissão na comunidade' do vírus H1N1. 'Andar no metro de Portugal não é a mesma coisa do que andar nos transportes públicos em Nova Iorque ou no Reino Unido', disse.

Ainda assim, o responsável admitiu que 'todos os dias, todas as semanas vão aumentar os casos' e que 'a curva está a ser achatada para o país se preparar para uma actividade maior'.

 

VACINA PARA CRIANÇAS E GRÁVIDAS SÓ EM FEVEREIRO

O sub-director-geral da Saúde, José Robalo, adiantou que as crianças e grávidas só vão receber a vacina para o vírus H1N1 em Fevereiro de 2010, dois meses depois do resto da população.

O atraso na vacinação a estes dois grupos é explicado pela necessidade de obrigarem a testes mais rigorosos da vacina, uma vez que esta ainda não existe e encontra-se em fase de desenvolvimento.

De acordo com José Robalo, só depois de a população geral reagir positivamente à administração da vacina, será possível partir para testes que garantam a segurança das vacinas nestes dois grupos.

O Governo aprovou hoje uma verba de 45 milhões de euros para a compra de três milhões de vacinas, correspondentes a seis milhões de doses, que só devem estar disponíveis em Janeiro do próximo ano.

 

GOVERNO, PATRÕES E SINDICATOS DEBATEM MEDIDAS

O Ministério do Trabalho, as associações de patrões e as estruturas sindicais para reunir-se a 24 de Julho para debater as medidas a adoptar nas empresas por causa da gripe A.

A reunião foi pedida pela UGT que quer ver esclarecidas as medidas a nível laboral e de saúde que possam ser tomadas pelos patrões, sem que os trabalhadores sejam prejudicados. 'Não podemos permitir que o eventual aumento de casos de gripe A possa trazer prejuízos para os trabalhadores em termos salariais nem que os empresários pouco escrupulosos possam usar soo para lay-off forçados', explicou João Proença.

publicado por HF às 08:30
pesquisar neste blog
 
arquivos