Segundo a organização, a contabilização dos casos individuais da chamada gripe suína é uma tarefa difícil para os países onde o vírus se está a espalhar rapidamente.

Assim e de acordo com um comunicado da OMS, a organização vai deixar de divulgar balanços globais dos casos de gripe A (H1N1), embora continue a acompanhar a evolução da pandemia.

A OMS recomenda aos países que procurem detectar sinais de mutação do vírus, como por exemplo alterações na forma como o vírus se propaga, aumentos súbitos do número de idas ao hospital ou casos mais graves.

A agência pede ainda aos países que a notifiquem dos primeiros casos confirmados e forneçam balanços semanais descritivos do número de casos.

O último balanço da OMS registou 95.000 casos de gripe A (H1N1), incluindo 429 mortes, em todo o mundo.