A mesma fonte indicou que o árbitro da Guiné Bissau esteve no Hospital Curry Cabral, onde fez análises, e hoje o Ministério da Saúde comunicou à organização dos Jogos da Lusofonia que as análises não confirmaram a presença do vírus A H1N1.

Acrescentou que a organização dos jogos desconhece o diagnóstico clínico do árbitro guineense, tendo apenas a garantia de que não se trata de um caso de gripe A H1N1.

Lusa