Gripe A (H1N1)
Noticias sobre a evolução da Gripe A em Portugal

15
Set 09

"Não vamos continuar a ter uma taxa de letalidade zero." É esta a convicção do director-geral da Saúde, Francisco George, sobre a evolução da pandemia de gripe A, infecção que o responsável estima que vá provocar mortes em Portugal e levar ao colapso de alguns serviços, designadamente os Cuidados Integrados, cujos meios e número de camas estão neste momento a ser alvo de um levantamento. 
 

"Vai haver excesso de procura para Cuidados Integrados. Vamos ter um stress", disse Francisco George, durante uma sessão de esclarecimento sobre a doença promovida pela Ordem dos Médicos, destinada a clínicos e aberta à Comunicação Social. Dessa sessão, a agência Lusa fez notícia às 16h07, referindo as palavras de Francisco George sobre a possibilidade de Portugal registar as primeiras mortes associadas à gripe. Um telefonema da Direcção-Geral da Saúde levou a que, 40 minutos depois, a notícia fosse anulada.

Francisco George traçou um quadro negro do que nos espera nos próximos dois anos, período que estima dure a crise pandémica. Além da ocorrência de mortes, referiu o aumento do número de casos em pessoas até aos 30 anos, sobretudo entre os 20 e 29, e nos grupos de risco já referenciados – obesos, asmáticos e grávidas. O director-geral da Saúde prevê "uma sobrecarga na área de Pediatria", referindo claramente: "As crianças no infantário são um problema e não temos ainda uma evidência sobre os benefícios de se encerrar as escolas."

 

ALERTA A FAMÍLIAS

 

Depois de elogiar a actuação dos serviços de saúde portugueses na contenção do vírus, Francisco George apelou à prevenção, sugerindo que os planos de contingência se centrem nas famílias. Para já, disse, "95% dos casos de gripe registados têm expressão clínica ligeira" mas "não nos podemos esquecer de que o vírus muda. Qual é o nosso trabalho, agora que não está a chover? É preciso identificar na família quem é asmático, quem tem diabetes, quem é obeso e dar indicação aos médicos de família de forma antecipada", sugeriu.

Ficou por esclarecer a dúvida da representante da especialidade de Medicina Geral e Familiar, que vinha do centro de saúde de Tavira. "Tivemos um Verão caótico. A medicação não é problema e o intercâmbio com o hospital é óptimo. O problema são os recursos humanos. O s médicos são poucos", disse Fátima Teixeira, que ficou sem resposta.

 

AGÊNCIA LUSA RETIRA NOTÍCIA SOBRE MORTES

 

A Lusa retirou ontem da rede uma peça que citava Francisco George a falar, num encontro com jornalistas, sobre a inevitabilidade de Portugal vir a ter casos mortais de gripe A. Ao CM, a editora de Sociedade da Lusa disse que a notícia foi retirada a pedido do director-Geral da Saúde. Já a autora da peça, a jornalista Sandra Moutinho, explicou: "Enviei o texto durante o encontro e só depois me apercebi de que a frase [ "não vamos continuar com uma taxa de letalidade de zero"] tinha sido dita em ‘off’". Mais tarde, a Lusa publicou novo take em que justificava: "Parte da notícia anulada baseava-se em declarações do director-geral de Saúde, Francisco George, que este invoca terem sido feitas em ‘off’."

 

MORTALIDADE ELEVADA ENTRE OS 25 E OS 49 ANOS

 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) revelou ontem que mais de metade das pessoas atingidas pelas formas mais graves do vírus da gripe A têm 20 anos ou menos. Na Austrália e nos Estados Unidos, por exemplo, a taxa de crianças entre os casos dos doentes mais gravemente atingidos pelo vírus foi a mais elevada.

A Organização Mundial de Saúde revelou ainda que a taxa de mortalidade é mais elevada nos grupos de pessoas entre os 25 e os 49 anos ou mais velhos, de acordo com as últimas estatísticas.

 

APONTAMENTOS

 

SIMPLEX

O programa informático usado para referenciar os casos de gripe A vai ser substituído por um mais simples.

MÉDICOS APRENDEM

Estiveram na sessão médicos de Medicina Interna, Pediatria, Medicina Geral e Familiar e do Trabalho, Infecciologia e Pneumologia.

GRIPE SAZONAL

Em 2001, Portugal registou um milhão de casos de gripe sazona. No último Inverno, tivemos 700 mil.

 

170 MIL EUROS PARA ANÚNCIO

 

No dia do debate entre José Sócrates e Manuela Ferreira Leite, a SIC colocou um anúncio publicitário da Direcção-Geral da Saúde (DGS) para promover o Programa de Saúde Oral, uma das bandeiras do executivo socialista, antes do início do frente-a-frente. Na estação de Carnaxide, o timing escolhido para a exibição desta publicidade institucional foi logo após o primeiro contacto com o estúdio onde se iria realizar o debate entre os dois candidatos a primeiro-ministro. Após o espaço de publicidade, arrancou o encontro entre José Sócrates e a líder do PSD.

A DGS explicou ao CM "ter sido pedido aos canais generalistas que a publicidade fosse inserida junto aos telejornais da noite, para ser vista pelo maior número de pessoas possível". Na RTP, o anúncio passou no intervalo do ‘Telejornal’, verificando-se o mesmo no "Jornal Nacional" da TVI. Nesse sábado, assinalava-se também o Dia Mundial da Saúde Oral, dia em que foram revelados os dados do Ministério da Saúde em relação aos cheques--dentista: 90 mil entregues a grávidas e idosos de Maio de 2008 a 31 de Agosto deste ano. "A primeira fase da campanha foi em Abril de 2008 e planeámos uma segunda fase para o arranque do ano lectivo. Adaptámos o texto para o regresso às aulas. A campanha decorre durante três semanas", acrescentou fonte da DGS, revelando que a campanha custou 170 mil euros.

 

GRIPE A VISTA À LUPA

 

7513 casos registados em Portugal, de acordo com os últimos dados fornecidos pelo Ministério da Saúde.

DOENTE NA MESMA

O estado clínico de Renato Pedro, internado no Hospital de Faro, continua estável, de acordo com o pai do jovem, Daniel Pedro. Renato está em coma induzido.

6753

kits individuais de protecção vão ser distribuídos aos bombeiros de Lisboa. Nos próximos dias, serão entregues 1800 kits.

ESPANHÓS COMPRAM

As farmácias da fronteira minhota estão a receber muitos clientes galegos, à procura da vacina Tamiflu. Já na zona de Elvas, a procura centra-se nos produtos desinfectantes.

3205

mortes confirmadas pela Organização Mundial da Saúde, decorrentes da infecção com o vírus H1N1 da gripe A.

MORTES PELO MUNDO

Estados Unidos, Brasil e Argentina são os países com maior número de mortes com gripe A. Na Europa são Inglaterra, Espanha e França.

6 MILHÕES

de portugueses devem ser vacinados contra a gripe A, face à quantidade de vacinas encomendadas pelo Ministério.

 

NOTAS

 

MINISTRA: UMA DOSE DE VACINA

A ministra da Saúde, Ana Jorge, explicou que se se confirmar que apenas será necessária uma dose para a gripe A, os grupos de risco poderão ser alargados e a vacina poderá chegar a mais gente.

DOENTES: MAIORIA É JOVEM

Oitenta por cento dos infectados com o vírus da gripe em Portugal tem menos de 30 anos. Cinco por cento dos doentes corresponde a pessoas com mais de 50 anos.

HOSPITAIS: CONTENTORES À PORTA

A colocação de contentores em espaços exteriores às urgências dos hospitais é uma das medidas previstas para a crise pandémica. O director-geral da Saúde, porém, recusa dar pormenores.

Manuela Guerreiro/André Pereira/I.F./A.P.
publicado por HF às 14:09
arquivos
pesquisar neste blog
 
arquivos