Gripe A (H1N1)
Noticias sobre a evolução da Gripe A em Portugal

22
Set 09

Por Jack Soifer, jackfer@sapo.pt
Com um bom escritório de advocacia, pode ficar milionário num ano. Basta fazer como a Gilead, dos EUA: compre a patente de um qualquer antiviral. Espalhe, entre a população mal-alimentada de um país pobre, o México, uma nova estirpe de virus da gripe, para o qual a sua patente seja um pouco melhor. Faça seu sócio o genro de um lobista, como o do ex-ministro de George W. Bush, Donald Rumsfeld.

O ministro declara a urgência de vacinar contra a gripe  A, sem dizer que novas estirpes aparecem cada cinco anos. Impeça a informação dos médicos e da renomada New England Journal of Medicine de chegar à TV e à radio. Espalhe nos media que esta gripe mata, sem dizer que só mata quem tem a auto-imunidade fragilizada por alguns aditivos químicos em alimentos.
Impeça as TV, devido ao seu pré-trabalho com a agência de publicidade ligada ao patrão da maior TV, de dizer que a gripe aviária, então uma terrível pandemia, só matou 250 pessoas. E que a gripe normal mata meio milhão por ano. Faça a sua Gilead ceder o fabrico do antiviral ao maior laboratório do mundo, com sede num paraíso fiscal. Assuste ministras competentes, mas em ministérios fragilizados, dominados pelo lobbies.
Os cientistas estão fartos de publicar, desde 2008, que a gripe A é igual às outras. A vacina só fortalece a auto-imunidade, não impede a virose. Há vários antivirais contra a gripe A. O virus enfraquece, mas ainda não matou um ‘normal'; morrem de outras doenças. Fala-se de vacinar milhões de crianças e idosos, mas os efeitos fatais são em mal-alimentados adultos de 20 a 40 anos. Com povo nutrido, informado e limpo não se venderão as 100 milhões de doses que farão pessoas da estirpe de Rumsfeld dominarem os espertos que nos dominam. Se a gripe A é grave, por que a Organização Mundial de Saúde não a declara calamidade e autoriza fabricar genéricos?
 
publicado por HF às 11:19
arquivos
pesquisar neste blog
 
arquivos