Gripe A (H1N1)
Noticias sobre a evolução da Gripe A em Portugal
13
Jul 09

Porto, 13 Jul (Lusa) - O antiviral oseltamivir está fora da lista de substâncias proibidas e pode por isso ser utilizado por atletas de alta competição e especificamente nos que participam nos Jogos da Lusofonia, na sequência da detecção de um caso de gripe H1N1 num tenista brasileiro.

 

 


"Neste caso, é fundamental que seja utilizado. Mas não integra a lista de substâncias proibidas. Não há, assim, qualquer tipo de relação entre a utilização e o desempenho", disse Luís Horta, à Lusa.

Luís Horta, director do Laboratório de Análises e Dopagem (LAD) e membro do Conselho Nacional Antidopagem (CNAD), explicou à Agência Lusa que o Tamiflu (nome comercial do oseltamivir) pode ser utilizado sem qualquer restrição já que, tal como todos os antivirais, não integra a lista substâncias dopantes, nem potencia ou reduz os desempenhos desportivos.

publicado por HF às 17:11
13
Jul 09

Arlindo Carvalho, antigo ministro da Saúde de Cavaco Silva, acusa Ana Jorge de estar a politizar em excesso o combate à gripe A.

 

Em entrevista ao «Rádio Clube Português», o antigo governante defende que a ministra não devia aparecer diariamente na comunicação social a falar sobre a doença. Arlindo Carvalho acusa mesmo Ana Jorge de estar a alimentar o alarmismo à volta da situação.

«Parece-me excessiva a politização desta questão e acho que não há razão para aparecer tantas vezes. O ministro é um político e aparecer todos os dias cria um certo alarmismo. Quando se verificar um aumento dos casos, no Inverno, será que vai aparecer o primeiro-ministro? O ministro deve aparecer ocasionalmente e depois nos momentos de crise», frisou.

Arlindo Carvalho critica ainda o facto de apenas algumas unidades de saúde estarem a ser preparadas para lidar com os doentes infectados com a Gripe A, dizendo que é obrigação do Governo preparar todas as unidades para enfrentar a doença.
 

publicado por HF às 14:46
13
Jul 09

Os sindicatos envolvidos nos transportes aéreos advertem para o aumento do risco de contágio, na medida em que os aviões não são devidamente higienizados. A falta de tempo é uma das principais causas da deficiência sanitária.

No meio de uma epidemia de gripe, os aviões param tão pouco tempo entre voos que a limpeza dos aparelhos é "mal feita" ou mesmo inexistente, alertam os sindicatos que representam os trabalhadores dos aeroportos e aviões.

Preocupados com o contágio, reclamam o cumprimento das boas práticas apontadas no plano nacional de contingência.

O Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil quer que as tripulações de cabina entrem em período de quarentena sempre que estejam em contacto com passageiros infectados. Pedro Lemos afirma que não é possível fazer uma boa higienização no interior de alguns aviões no pouco tempo que permanecem em terra, entre voos.

No caso dos aviões utilizados pelas companhias de baixo custo, nem sequer entram equipas de limpeza nos aparelhos. "Nem sei se lhe posso chamar limpeza, o que o pessoal de bordo faz é mais uma espécie de arrumação".

A mesma questão é levantada pelo presidente do Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos. André Teives considera que na "pressa de pôr os aviões no ar" a limpeza dos aparelhos "é muito mal feita", aumentando o risco de contágio.

Pedro Lemos lembrou que um membro da tripulação de um voo da SATA foi infectado, mas a tripulação não ficou em quarentena.

Por seu lado, André Teives considera que o plano de contingência da TAP é, do ponto de vista teórico, "suficiente e bem estruturado". Mas, adianta, "a divulgação e materialização do plano é manifestamente deficiente" e apesar de existirem equipamentos de protecção individual "ninguém sabe onde estão, como os obter e em que casos utilizar".

O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos, Vítor Mesquita, adverte que foi enviada uma carta à ministra da Saúde a manifestar as preocupações. "Se a bordo desses aviões [de países de risco] há precauções que são tomadas, o certo é que os passageiros circulam depois nos aeroportos sem que o pessoal de terra saiba minimamente como lidar com essas situações, nem precaver-se delas".

publicado por HF às 14:08
13
Jul 09

Era a única parte do território nacional que ainda não tinha registado qualquer caso confirmado de Gripe A. Esta segunda-feira sabe-se que uma jovem de 15 anos foi mesmo infectada com o vírus H1N1.

 

Segundo foi possível apurar, a jovem está internada no Hospital Central do Funchal e encontra-se clinicamente bem.

A confirmação do caso foi dado depois de enviadas as análises para o Instituto Dr. Ricardo Jorge, em Lisboa.

Segundo a agência Lusa, até esta segunda-feira foram avaliados 12 casos suspeitos de gripe A na Madeira e dentro de dez dias o laboratório do Hospital Central do Funchal estará em condições para fazer todo o processo de diagnóstico, deixando de ser necessário enviar o material para Lisboa.

Este caso surge um dia depois de não se terem registado casos durante o domingo. Sendo assim, desde o início o mês de Maio foram registados em Portugal 87 casos de Gripe A.
 

publicado por HF às 13:25
13
Jul 09

Foi confirmado um caso de Gripe A num atleta brasileiro que participa nos Jogos de Lusofonia a decorrerem em Lisboa e mais quatro concelhos. Eric Manicni, o atleta atingido foi internado.Não há perigo dos restantes atletas participantes na prova serem contaminados.

 

Eric Mancini tem 20 anos e é jogador de ténis de mesa. Veio a Portugal integrado na comitiva desportiva do Brasil que participa na sessão de 2009 dos Jogos da Lusofonia que desta vez têm Portugal como país anfitrião.

O comité de organização já tornou público que o atleta - internado no Hospital Curry Cabral - se encontra clinicamente bem e deverá ter alta ainda este domingo.

Eric chegou a Lisboa na passada quinta-feira, dia 9 de Julho, vindo da cidade de São Paulo. Foi já em Lisboa que o atleta brasileiro sentiu os primeiros sintomas da doença e disso deu conta ao médico da sua selecção.

O Comité Olímpico Brasileiro e a Comissão Organizadora dos Jogos contactaram as Autoridades Nacionais de Saúde, através da Delegação de Saúde Regional da Região de Lisboa e Vale do Tejo.

Feitas as respectivas análises e após confirmação laboratorial de infecção pelo vírus de Gripe A (H1N1), foram postas em prática as medidas e activados os mecanismos necessários para evitar a propagação do vírus.

Todos os elementos com quem o atleta terá contactado, todos eles assintomáticos, iniciaram já quimioprofilaxia com Tamiflu.

Nada impede que possam assim, manter a participação nos Jogos não implicando essa participação qualquer risco para os próprios, ou para os demais participantes.

A situação está a ser acompanhada e monitorizada pelas Autoridades de Saúde, em permanente contacto e colaboração com a Comissão Organizadora dos Jogos da Lusofonia. 

Ministra da Saúde garante que não há colegas com sintomasA ministra da Saúde, Ana Jorge, assegurou na tarde deste domingo que todos aqueles que estiveram em contacto com o atleta brasileiro infectado com Gripe A (H1N1) que iria participar nos Jogos da Lusofonia não apresentam sintomas do vírus e estão a ser medicados.

"Todos aqueles que contactaram directamente com o atleta não apresentaram sintomas de gripe, no entanto estão a fazer a profilaxia indicada nestes casos em regime de prevenção (antiviral oseltamivir)", afirmou Ana Jorge à margem da apresentação do mandatário do PS, Paulo Pedroso à Câmara Municipal de Almada.

Ana Jorge informou ainda que o atleta "desenvolveu" em Portugal o quadro de gripe A que contraiu no Brasil estando neste momento internado no Hospital Curry Cabral, apesar de estar clinicamente bem.

"Neste momento está internado por uma simples razão, que é o facto de não residir em Portugal e não ter casa. Por precaução, continua internado mesmo em relação à disseminação do vírus, permanecendo num ambiente mais contido", explicou a ministra.

 

publicado por HF às 10:26
11
Jul 09

Há 79 casos confirmados de gripe A em Portugal, segundo a última contagem do Ministério da Saúde. O último infectado foi um jovem brasileiro que estudava na Universidade do Minho.

 

Igor apanhou a gripe numa viagem a Espanha. O restante grupo de brasileiros passou dias de ansiendade e isolamento até saberem se também tinham sido infectados.

A residência universitária de Braga está com áreas limitadas. O jovem tinha regressado de uma viagem a Espanha. Os colegas foram colocados de quarentena.


Os serviços sociais da universidade seguiram as indicações da direcção-geral de Saúde e desde a primeira hora que estão no terreno para evitar alarmismos.

De acordo com a ministra da Saúde, foram "tomadas as medidas que estão de acordo com a situação, que é identificar os contactos próximos para essas pessoas fazerem tratamento preventivo". 

Os ministérios da Saúde, Educação e Trabalho reuniram ontem  para preparar planos de contingência para a epidemia da gripe A H1N1 para as escolas, creches e jardins-de-infância, disse a ministra Ana Jorge.

Segundo a ministra da Saúde, o objectivo é fazer planos de resposta para "tudo o que são espaços de ensino, incluindo todas as crianças e jovens que estão em estabelecimentos de ensino e também o ensino superior", porque "esta gripe tem uma particularidade: atingir fundamentalmente crianças, jovens e jovens adultos".

"O plano de contingência tem de começar já, não é só quando abrirem as escolas", reforçou, acrescentando que "estão no terreno uma série de preparativos", estando já "identificados materiais que estão a ser distribuídos e está a ser feita programação e trabalho com as escolas, com os agrupamentos de escolas, envolvendo também todos os responsáveis de creches".

Lusa

 

publicado por HF às 15:00
11
Jul 09

Pelo menos, vinte alunos portugueses, que estão num curso de verão em Oxford, apresentam sintomas de Gripe A. Quiseram aproveitar a época de férias lectivas em Portugal para melhorar o seu curriculum e o seu inglês e inscreveram-se num curso de verão numa escola de Oxford, no Reino Unido. Chegaram na semana passada a Oxford. Passados alguns dias começaram a apresentar sintomatologia da Gripe A. Os alunos foram então observados pelos médicos que lhes receitaram o Tamiflu, tratamento que estão a cumprir. Fizeram entretanto análises ao sangue para verificar se de facto estarão infectados com o vírus da Gripe A H1N1. Os resultados dessas análises só serão conhecidos na próxima segunda-feira.Os jovens têm regresso marcado a Portugal para o próximo dia 25 de Julho. A viagem dos jovens estudantes portugueses surge numa altura em que no Reino Unido foram confirmados 2.271 novos casos apenas nas úiltimas 24 horas. Desde o início da pandemia morreram em Inglaterra 14 pessoas infectadas com o vírus da gripe A H1N1. Também em Inglaterra já foi anunciada a primeira morte devido à gripe A sem que esta esteja associada a qualquer outro problema de saúde. Equipa de andebol jovem da Madeira sob suspeita de ter sido contaminada em Itália Um outro grupo de jovens, desta feita na Madeira, tem estado sob especial atenção nos últimos dias. O grupo de setenta madeirenses participava num torneio internacional de andebol, em Itália. Estão todos sob vigilância devido a um surto de gripe A que atingiu a equipa de Chipre. Não haverá, no entanto, motivos para alarme . Os jvens portugueses não terão tido qualquer contacto com os atletas cipriotas e estão para já, todos bem. "Continuamos todos na mesma, com os atletas a não apresentarem qualquer sintoma", disse o professor Duarte Sousa, em declarações ao Jornal da tarde da RTP. "Na delegação portuguesa estão todos bem, ninguém apresenta nenhum sintoma, temos andado a dar muita atenção a isso, temos tido mais cuidado em relação à higiene diária, lavado as maõs muitas vezes, muito cuidado com os contactos com os outros, e mesmo em relação às outras comitivas, por enquanto não apareceu nenhum caso", concluiu este professor que acompanhou os jovens na sua digressão desportiva em Itália. Os atletas da Madeira regressam de Itália na próxima segunda-feira, mas antes fazem uma escala em Lisboa. Sindicatos temem que limpeza deficiente dos aviões possa agravar contágio Em plena pandemia e com pouco tempo de paragem nos aeroportos entre voos a limpeza deficiente ou mesmo inexistente dos aparelhos constitui risco acrescido de contaminação. É o alerta deixado pelos sindicatos que representam os trabalhadores dos aeroportos e aviões. O número de infectados pela Gripe A H1n1 em Portugal subiu para 79 depois de nas últimas 24 horas terem sido confirmados mais oito casos de infecção. Os sindicatos querem evitar o contágio quer das tripulações quer dos passageiros e para isso reclamam que as boas práticas inscritas no plano nacional de contingência sejam cumpridas. As tripulações de cabine, sempre que entrem em contacto com passageiros infectados com a gripe A H1N1 devem entrar em período de quarentena. O problema da higienização dos aparelhos constitui um problema preocupante. È que se o pouco tempo que os aviões permanecem em terra entre voos não permite uma limpeza cuidadosa e eficaz, o problema é agravado nas chamadas companhias "Low Cost" em cujos aparelhos as equipas de limpeza nem sequer entram. "Nem sei se lhe posso chamar limpeza, o que o pessoal de bordo faz é mais uma espécie de arrumação", declarou Pedro Lemos, dirigente do SNPVAC. Alerta que é reforçado pelo presidente do Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA), André Teives, que pensa que na "pressa de pôr os aviões no ar" a limpeza dos aparelhos "é muito mal feita", aumentando o risco de contágio. Pedro Lemos reclama a necessidade de proceder às "boas práticas" apontadas pelas autoridades de saúde "a bem da saúde pública". Outro motivo de preocupação são os funcionários que fazem o check-in já que contactam directamente com os passageiros e manuseiam as suas malas correndo assim um risco acrescido de contágio. André Teives qualifica o plano de contingência da TAP de "suficiente e bem estruturado", mas sempre vai adiantando que "a divulgação e materialização do plano é manifestamente deficiente" e apesar de existirem equipamentos de protecção individual "ninguém sabe onde estão, como os obter e em que casos utilizar". Em carta enviada à ministra da Saúde no passado dia 25 de Junho, o SITAVA (Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos) podia ler-se que "se a bordo desses aviões (provenientes de países de maior risco) há realmente precauções que são tomadas, o certo é que os passageiros circulam depois nos aeroportos sem que o pessoal de terra saiba minimamente como lidar com essas situações, nem precaver-se delas", lê-se na carta. Era pedido à ministra da Saúde que accionasse as medidas que considerasse "mais convenientes" para a prevenção da doença. Não houve resposta às preocupações manifestadas nessa missiva. A TAP por intermédio do seu gabinete de comunicação já esclareceu que o plano de contingência da empresa abrange todo o grupo, nas vertentes interna (funcionários da empresa) e a externa (clientes). "O plano, que foi estabelecido para a gripe aviária, foi adaptado à gripe A e tem sido actualizado em conformidade com as orientações das autoridades de saúde", adiantou.

publicado por HF às 14:44
11
Jul 09

Grenoble, França, 11 Jul (Lusa) - Vinte e três crianças contraíram a gripe A numa colónia de férias perto de Megève, nos Alpes franceses, anunciaram hoje as autoridades de Haute-Savoie, indicando que já foram tomadas todas as medidas para confinar a epidemia.

 

As crianças são originárias da região parisiense, segundo a mesma fonte.
 

 

O último balanço oficial emitido na sexta-feira indicava que a França contava então com 434 casos confirmados de gripe A (H1N1) desde o início da epidemia.

 

publicado por HF às 14:40
10
Jul 09

Uma vacina contra a gripe A (H1N1) poderá  ser testada em Agosto e distribuída em Outubro nos Estados Unidos, indicaram  ontem responsáveis dos serviços de saúde pública norte-americanos.

 

"Esperamos testar uma vacina no início de Agosto", indicou o director do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecto-contagiosas, Anthony Fauci, depois de um encontro em Washington, que reuniu responsáveis sanitários, médicos e organismos públicos com o objectivo de estabelecer uma estratégia para combater o vírus H1N1.

A secretária da Saúde norte-americana Kathleen Sebelius anunciou igualmente que a vacina poderá ser distribuída, em grande escala, no início de Outubro.

Sebelius acrescentou que a vacina será supervisionada pelo governo federal e distribuída nos 50 Estados norte-americanos para vacinar as populações mais vulneráveis, nomeadamente os mais jovens.

Em todo o mundo, vários laboratórios farmacêuticos estão a trabalhar no desenvolvimento de uma vacina contra a gripe A.

Em França, as negociações entre os laboratórios e o Estado para a aquisição de vacinas deverão ter início nos próximos dias.

Segundo o último balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS), 100 mil pessoas foram infectadas com o vírus H1N1 em 137 países e territórios.

A doença já fez 440 vítimas mortais, de acordo com os mesmos dados.

 

publicado por HF às 17:14
10
Jul 09

O Instituto Ricardo Jorge está a dar formação a novos profissionais para que possam ajudar na despistagem dos casos de H1N1. Os profissionais vão integrar uma rede de oito laboratórios para permitir diagnósticos mais rápidos.
 

Raquel Guiomar, responsável pelo laboratório de referência para a gripe A, garante que as equipas vão ser reforçadas a partir do Outono.

«Nós vamos ter duas epidemiais: a do H1N1 e a gripe sazonal. Temos a consciência de que este ano vai haver um aumento de diagnóstico, pelo que precisamos de estar preparados para esta situação, reforçando a equipa do instituto Ricardo Jorge», sublinhou.

publicado por HF às 14:21
arquivos
pesquisar neste blog
 
arquivos
subscrever feeds