Gripe A (H1N1)
Noticias sobre a evolução da Gripe A em Portugal
25
Jul 09

Os portugueses no Reino Unido também estão a ser contagiados pela gripe A, tendo várias famílias sido obrigadas a ficar em casa, disse à agência Lusa o conselheiro das Comunidades Portuguesas.

 

 

"Já há várias famílias inteiras que estão em casa, a tomar Tamiflu", contou António Cunha, sem avançar mais dados.

Todavia, nenhum destes casos chegou ao conhecimento do consulado-geral em Londres, segundo afirmou à Lusa o cônsul, José Macedo Leão.

Em vez de pedidos de auxílio dos residentes, têm chegado de Portugal e-mails de turistas e grupos que se vão deslocar ao Reino Unido com perguntas sobre a situação.

"É bom assim porque ficamos a saber onde estão e os contactos", congratulou-se o cônsul-geral, José Macedo Leão.

Recentemente, o consulado prestou assistência a um grupo de jovens de uma escola secundária do concelho de Cascais que ficaram doentes durante uma estada em Oxford para um curso de inglês.

Vinte dos 27 alunos foram contagiados com o vírus H1N1 e foram medicados, mas no final regressaram a Portugal.

Mesmo assim, foi necessário uma declaração de uma médica a autorizar a viagem para a TAP aceitar o grupo a bordo, contou o cônsul e, à chegada a Lisboa, também foram observados, acrescentou.

De acordo com o diplomata, fim de Julho e início de Agosto é a época de maior movimento de emigrantes para Portugal.

As autoridades britânicas estimam que o número de pessoas infectadas com o vírus H1N1 na última semana duplicaram para cerca de 100 mil.

Segundo dados oficiais, mais de oito centenas de pessoas foram hospitalizadas no Reino Unido devido à gripe A e, pelo menos, 31 morreram desta doença.


Lusa

publicado por HF às 13:49
24
Jul 09

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, afirmou hoje que os custos do alargamento da baixa médica a situações de isolamento devido à gripe A (H1N1) poderão ter um impacto de 70 milhões de euros na Segurança Social.

 

"Admitimos com uma margem de erro elevada que os custos desta protecção social se situem entre os 35 e os 70 milhões de euros", disse o ministro.


Vieira da Silva admitiu no entanto que, na actual fase de contenção, onde se registam ainda um pequeno número de casos, "há uma grande instabilidade" nas previsões realizadas para o impacto na Segurança Social.


 

 

publicado por HF às 16:04
24
Jul 09

A Organização Mundial de Saúde diz que propagação da gripe A se aproxima dos 100 por cento do planeta. Neste momento 160 dos 193 países membros da OMS já registam casos da doença.

A OMS realça que a gripe A se propaga com uma velocidade sem precedentes, mas diz que até ao momento não foram detectadas mudanças no comportamento do vírus.
 

A organização já deixou de fazer a contabilidade dos casos, apenas afirma que desde Março, quando o vírus H1N1 foi detectado no México, já morreram cerca de 800 pessoas.

O país mais atingido é os Estados Unidos, na Europa o Reino Unido regista o maior numero de casos e de vitimas mortos.

 

publicado por HF às 14:38
24
Jul 09

O Governo propôs aos parceiros sociais, hoje reunidos em sede de concertação, a definição do enquadramento legal da quarentena para assistência à família, equiparando-a a uma baixa normal, disse o presidente da UGT, João de Deus.
 

Caso venha a concretizar-se, esta medida permitirá, por exemplo, que no caso do encerramento de uma escola devido à existência de um caso de gripe A (H1N1), os encarregados de educação possam usufruir da figura da assistência à família para tomar conta do filho, que se encontra saudável, mas impedido de frequentar a escola devido à quarentena.


O período de quarentena não está definido, mas segundo a informação disponível na página da Direcção-Geral da Saúde na Internet, o tempo que decorre entre o momento em que uma pessoa é infectada e o aparecimento dos primeiros sintomas da gripe A (H1N1) "pode variar entre 01 e 07 dias".

 

publicado por HF às 14:35
24
Jul 09

 

 

O Governo vai equiparar o isolamento devido à Gripe A H1N1 à baixa médica por doença, anunciou o presidente da UGT, João de Deus, à saída da reunião de concertação social.

 

O responsável considerou "positiva" a reunião porque a situação de quarentena tem de ser definida pelo Ministério da Saúde e não pelas empresas.

Questionado sobre o impacto na Segurança Social desta decisão, João de Deus considerou que este não será muito grande porque se tratam de períodos curtos.


 

 

publicado por HF às 14:33
24
Jul 09

Animais de companhia como papagaios ou periquitos podem ser infectados pela nova estirpe do vírus da gripe A (H1N1), mas o cão e o gato não correm esse risco, informou a Direcção-geral de Veterinária (DGV). 

 

Numa resposta enviada hoje à Lusa, a DGV esclarece que entre os animais de companhia, especialmente se são porcos-anões ou aves (papagaios, periquitos, aves canoras), "existem alguns que são susceptíveis de serem infectados" pela Gripe A H1N1.

"O cão e gato não o são! O vírus da gripe que circula nos cães é predominantemente do subtipo H3N8", refere a DGV.

Em Portugal, os animais de companhia mais comuns são o cão e gato, mas existem muitos povos no mundo que têm porcos anões (Vietnamitas) como animais de companhia, como nos Estados Unidos.

Até ao momento, segundo a mesma fonte, não existe qualquer caso assinalado de contágio de animais de companhia pela nova estirpe de H1N1, nem qualquer registo ou notificação de casos de infecção de cães ou de gatos pelo H1N1, em qualquer ponto do globo.

Quanto ao risco de transmissão da infecção destes animais domésticos para o Homem, a DGV refere que a transmissão dos vírus da gripe A dos cães e dos gatos aos humanos "nunca foi assinalada".

Mas não existem ainda dados científicos consistentes para explicar a ausência de infecção dos cães e dos gatos por H1N1.

"Provavelmente é um facto que decorre da ausência de receptores específicos no tracto respiratório dos carnívoros domésticos que permitam a "acoplagem" deste vírus à mucosa respiratória (factor H-Hemaglutinina). Os vírus adaptados ao Homem não têm afinidade para espécies que são filogeneticamente mais distantes, como é caso dos carnívoros domésticos", explica a DGV.

Contas da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que a gripe A (H1N1) já matou mais de 700 pessoas em todo o mundo, indiciando que o novo vírus se propaga a uma velocidade "sem precedentes" relativamente a outras epidemias.

Lusa

 

publicado por HF às 09:12
24
Jul 09

Nas últimas 24 horas, Portugal viu confirmados mais 14 casos de gripe A. O número de infectados com H1N1 subiu agora para os 188. A revelação é feita pelo próprio ministério da Saúde, através de um comunicado, publicado no site Portal da Saúde».

 

«No Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, uma menina de 11 anos proveniente de Marbella, um menino de 8 anos e um rapaz de 16 anos, ambos procedentes do Reino Unido», lês no comunicado.

Também em Lisboa, mas no Hospital Curry Cabral, «estão uma mulher de 56 anos, procedente de Palma de Maiorca; um homem de 22 anos, regressado da Califórnia (EUA) e um homem de 24 anos vindo de Barcelona, bem como dois homens provenientes de Ibiza, de 21 e 22 anos».

Na Madeira, há registo de «dois meninos de 9 anos foram referenciados pelo Hospital do Funchal» e, no Algarve, está a ser seguida «uma mulher de 22 anos», no Hospital de Faro.

No Porto, no Hospital São João, «estão a ser assistidos um homem de 30 anos, após passagem por Barcelona, e uma mulher de 27 anos, regressada de Itália». No Hospital de Vila Real, após estadia em Espanha, está internada uma mulher de 59 anos.

Ou seja, todos os casos identificados nas últimas 24 horas foram importados.

No mesmo comunicado, o Ministério da Saúde «alerta, mais uma vez, os cidadãos para, em caso de sintomas de gripe, independentemente de terem viajado para fora do país, contactarem de imediato a Linha de Saúde 24 (808 24 24 24) e seguirem as indicações que lhes são dadas».
 

publicado por HF às 09:07
24
Jul 09

Uma criança com 17 meses é o sexto caso confirmado de Gripe A H1N1 na Região Autónoma da Madeira, confirmou à Agência Lusa o presidente do Instituto de Administração de Saúde e Assuntos Sociais da Madeira, Maurício Melim.

O responsável da Saúde madeirense adiantou que a criança é luso-descendente e «chegou à Madeira há três dias (20 de Julho) oriunda do Reino Unido», afirmando que «está clinicamente bem».

Os casos confirmados, até agora, nesta região são todos de pessoas provenientes do Reino Unido, sendo quatro crianças (esta com 17 meses, duas com nove e outra com dez anos), uma jovem de 15 anos e um adulto com 25.

publicado por HF às 09:06
24
Jul 09

O ministro do Trabalho, os patrões e os sindicatos reúnem-se, esta sexta-feira, para debater quem vai pagar os custos decorrentes do encerramento temporário de empresas devido ao risco de contágio da gripe A.

No caso de encerramento temporário da actividade da empresa, o Código de Trabalho diz que os trabalhadores têm direito a usufruir de 75 por cento do salário a cargo do empregador, mas as associações patronais já recusaram suportar essa despesa por estar em causa uma questão de saúde pública.

 

 

O encontro extraordinário, em sede de concertação social, foi pedido pela UGT, que considerou necessário serem clarificadas as medidas a ser tomadas ao nível laboral e da saúde nas empresas na sequência da propagação da gripe A de modo a que os trabalhadores não saiam prejudicados.

 

 

«Não podemos permitir que o eventual aumento de casos de gripe A possa trazer prejuízos para os trabalhadores em termos salariais, nem que empresários pouco escrupulosos possam usar isso para lay-off forçados», justificou o secretário-geral, João Proença, em conferência de imprensa.

 

 

João Proença referia-se à possibilidade de as empresas poderem mandar trabalhadores para casa para evitar a disseminação do vírus e de quererem eventualmente esquivar-se ao pagamento do salário ou transferir essa responsabilidade para o Estado.

 

 

O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social já disse que a actual situação relacionada com a gripe A não exige um apoio diferente às empresas ou aos trabalhadores, porque o enquadramento legal já prevê que seja a Segurança social a assegurar a protecção social em casos de doença (baixa) ou quando os pais acompanham os filhos doentes.

 

 

De fora ficam as situações em que os funcionários são dispensados, não por estarem infectados, mas para evitar o contágio em meio laboral.

 

 

«Não pode ser o colaborador nem o empresário, por si só, a arcar com as responsabilidades nas situações em que as empresas não vão trabalhar como forma de defesa da saúde pública», disse, à Lusa, o vice-presidente da Associação Empresarial de Portugal, que, como não está representada em sede de concertação social, fez chegar a sua posição à Confederação da Indústria Portuguesa (CIP).

 

 

O absentismo laboral, resultante da Gripe A, poderá originar uma redução do Produto Interno Bruto (PIB) nacional entre os 0,3 e os 0,45 por cento, entre 490 e 740 milhões de euros, segundo um estudo realizado pela Deloitte, em colaboração com a Intelligent Life Solutions.

 

 

De acordo com a mesma projecção, os custos da pandemia para o Estado estão estimados em 330 a 500 milhões de euros, contabilizando perdas de IRS, contribuições para a Segurança Social e subsídio de doença. De fora destes cálculos estão os valores referentes a eventuais situações de absentismo forçado.

publicado por HF às 09:05
23
Jul 09

O número de casos de gripe A H1N1 registados no Reino Unido duplicou na última semana para cerca de 100 mil.

De acordo com o balanço semanal feito pela Agência para a Protecção da Saúde britânica, o número de novos casos aumentou de 55 mil para 100 mil na semana passada.

< As crianças com menos de cinco anos e as crianças de entre cinco e 14 anos são os grupos etários mais afectados, enquanto os maiores de 65 anos têm registado taxas de contágio inferiores às esperadas.  

O número de vítimas mortais oficial é actualmente de 26, mas isto porque as autoridades sanitárias decidiram usar um novo critério, que exclui as mortes de pessoas cuja gripe A (H1N1) não foi a causa principal da morte.  

O Reino Unido deixou de realizar testes em laboratório para confirmar o vírus mas, dos milhares de casos diagnosticados, cerca de 840 pessoas estão hospitalizadas, 63 das quais em estado crítico.  

Os dados foram dados no mesmo dia em que foi lançado o novo serviço de diagnóstico da gripe A (H1N1) que pretende retirar pressão sobre os médicos.  

Através de um site de Internet ou por telefone é possível confirmar se os sintomas correspondem ao vírus H1N1 e obter medicação sem ter de contactar um médico.  

Todavia, minutos depois de entrar em funcionamento o site bloqueou por excesso de tráfego.  

 

publicado por HF às 22:10
arquivos
pesquisar neste blog
 
arquivos
subscrever feeds